Arthur Zanetti planeja aposentadoria após Tóquio-2020: ‘Já estarei com 30 anos’

Aos 26 anos, Arthur Zanetti tem uma carreria consagrada. Campeão sul-americano, pan-americano, mundial e olímpico nas argolas da ginástica artística, voltou ao pódio no maior evento esportivo do mundo em agosto, com a medalha de prata conquistada nos Jogos do Rio de Janeiro. E daqui a cinco anos, como ele se vê?

Certezas ainda passam longe. Mas o planejamento já começa a ser feito. O mais provável é que o ginasta do ABC Paulista se aposente depois de disputar os Jogos Olímpicos no Japão, em 2020.

“Pretendo fazer mais um ciclo olímpico. Depois de Tóquio, não tem mais como continuar. Já estarei com 30 anos. Mas não posso falar com certeza porque ainda faltam quatro. Só o tempo vai dizer”, disse.

A ginástica é um esporte safrificante, que exige treinos diários e muito esforço. A idade média de aposentadoria varia de atleta para atleta. Daniele Hypolito, por exemplo, está com 32 anos e ainda competindo em alto nível. “Depende muito de como é cada um. E do aparelho também. Eu tenho poucas lesões, e isso me ajuda”, completou.

Lesão, aliás, é algo com que Zanetti convive no momento. Medalha de ouro no Mundial de Antuérpia-2013 e na Olimpíada de Londres-2012, o ginasta passou por uma cirurgia no ombro esquerdo há três semanas, logo após conquistar a prata no Rio de Janeiro, para corrigir um antigo rompimento em um tendão. A previsão é que ele volte a fazer treinos leves no final deste ano. Mas competições, somente em 2017.

E o que pretende fazer depois que se aposentar? Seguir os passos do treinador Marcos Goto não está nos planos, por enquanto. “Não pretendo ser técnico, mas nunca diga nunca (risos). Fiz licenciatura em Educação Física e estou terminando o bacharelado, mas também não gosto da ideia de ser professor. Quero estar em uma área dentro do esporte, mas em que, ainda não sei.”

Com informações do UOL

Esporte Candango