Confiante, Alisson comemora boa fase: “Números estão a nosso favor”

Com apenas 24 anos, Alisson é o goleiro titular da seleção brasileira e vem ganhando cada vez mais confiança debaixo das traves. Mesmo sem jogar muito no Roma, atual clube, o camisa 1 tem a confiança de Tite. Prova disso são os bons números. Nos últimos cinco jogos, ele levou apenas um gol (gol contra, na partida contra a Colômbia).

A confiança de Tite é motivo de orgulho para Alisson, que vê os méritos do trabalho realizado na seleção para melhorar os bons números que tem com a camisa amarelinha.

– Importante para mim e para toda a equipe, e para quem nos acompanha e torce. Importante ter essa confiança. Hoje o futebol se baseia muito em números, em resultados, então os números estão a nosso favor, tanto no setor ofensivo como no defensivo. A gente tem que trabalhar da mesma maneira que viemos trabalhando, isso é um mérito nosso, do Tite, que vem nos ajudando muito. Temos que seguir concentrados jogo a jogo para seguir melhorando os números.

Alisson jogou apenas cinco vezes no Roma e espera ter mais oportunidades no clube italiano, mas acredita que a confiança é mais importante que o ritmo de jogo.

– Gostaria de estar jogando todos os jogos, pode ter certeza disso. Estou trabalhando para isso, mas os poucos que estou jogando (no Roma) estou dando meu máximo. No dia a dia dos treinamentos também venho dedicando ao máximo para quando chegar aqui não esteja com falta de ritmo. Acredito que não venha sendo um problema para mim. Dentro de campo tenho me sentido confiante, nos treinamentos aqui chego e me sinto confiante também. Acredito que isso é mais importante que o número de jogos. É tu se sentir confiante, pode jogar dez jogos e não ter confiança, e aí não adianta nada. Isso para mim não está sendo um problema.

Para o reencontro com a seleção peruana, último algoz do Brasil, ainda na Copa América Centenário, Alisson garante que o episódio faz parte do passado, mas espera mais um jogo complicado.

– A gente espera uma partida difícil. Mas a gente tem que focar muito no nosso trabalho, olhando muito mais para a gente que para o adversário. O Peru vem num momento que vem crescendo. Teve a partida da Copa América que foi um jogo a parte, episódio infeliz, mas a gente já virou a página, deixamos isso no passado e vamos nos concentrar para essa próxima partida. Tenho certeza que vamos encontrar um adversário que vai querer buscar o jogo e arrancar o resultado da gente. Vamos focados no nosso futebol para sair de lá com o resultado positivo.

Elogiado por Tite pela grande defesa no chute de Biglia, quando a partida contra a Argentina ainda estava 0 a 0, o goleiro do Brasil explicou que o posicionamento e a reação foram fundamentais para buscar a bola e ajudar na vitória.

– Ali não tem muito mistério, é mais posicionamento que qualquer outra coisa. Depois tem a reação de dar uma passada e saltar na bola, uma bola muito rápida. Depois fiquei sabendo que foi (um chute) de 120 km/h. Mas a gente trabalha todo dia no final no treino, ou quando é um treino específico, e o Taffarel faz muitos chutes, chute frontal, chute diagonal, então estava bem preparado. Mas é muito mais estar bem posicionado que qualquer outra coisa.

Sob chuva, a seleção brasileira fez o último trabalho no Brasil neste domingo, na Cidade do Galo, antes de seguir para Lima, local do jogo contra o Peru. O técnico Tite confirmou a entrada de Filipe Luís no lugar Marcelo, que está suspenso. A seleção brasileira deverá ter: Alisson; Daniel Alves, Miranda, Marquinhos e Filipe Luís; Paulinho, Fernandinho e Renato Augusto; Coutinho, Neymar e Gabriel Jesus.

Com informações do UOL

Esporte Candango