Liderança e 2ª melhor defesa da história: UniCEUB/Brasília atropela Basquete Cearense

O técnico Bruno Savignani saiu do vestiário após a partida com um raro e tímido sorriso no rosto. Não por acaso, foi uma noite histórica para o Time de Lobos.

Nesta sexta-feira (3), o UniCEUB/Brasília levou apenas 52 pontos do Basquete Cearense, a segunda melhor marca da defesa brasiliense na história do NBB.

A diferença no placar também foi a maior desta edição do campeonato: 88 a 52, e 36 pontos de distância entre as equipes.

O triunfo recolocou o time brasiliense de volta ao topo da tabela do NBB, com aproveitamento de 72%.

“A gente sempre tenta trazer o que tem de mais atualizado no mundo do basquete para estar evoluindo sempre. Fomos muito bem defensivamente, em especial no que diz respeito a disciplina tática. A nossa meta é fazer o adversário anotar menos de 60 pontos e hoje fomos muito bem”, analisou Savignani.

Lucas Mariano terminou como cestinha da partida, com 19 pontos. A noite foi marcada pela exibição de gala de dois jogadores consagrados. Guilherme Giovannoni e Fúlvio Chiantia, ambos com duplos-duplos. O capitão anotou 10 pontos e rebotes. O armador saiu de quadra com 11 pontos e 10 assistências.

Com uma postura confiante desde o início do jogo, o UniCEUB/Brasília abriu vantagem rapidamente.

A defesa compacta não dava espaço para os cearenses. Na metade do segundo quarto o técnico do time cearense, Alberto Bial, já não sabia o que fazer. Com impaciência ele ajeitou os óculos, passou as mãos no cabelo e bufou. O Brasília vencia por 23 pontos de vantagem.

O setor defensivo foi tão eficiente que a quantidade de pontos anotados no primeiro quarto pelo Time de Lobos só foi ultrapassada pelos cearenses aos três minutos do terceiro período.

Durante a partida, a vantagem chegou a ser de 40 pontos. Sem diminuir a intensidade em nenhum momento. Dentro de quadra, o pivô Daniel Alemão foi um dos pontos fortes por manter a intensidade o jogo todo e terminou com oito rebotes.

Elemento surpresa

O Basquete Cearense ainda contou com mais um fator para dificultar a noite: a cortina da distração.

O time nordestino tem média de 70% de acerto nos lances livres nesta edição do NBB. No entanto, diante da pressão e da cortina, os cearenses converteram apenas cinco lances, em 14 tentativas (aproveitamento de 35%).

Para tirar a concentração do comandados de Bial, teve de tudo: homem mascarado no melhor estilo serial killer, jogador de futebol americano e até guerra de travesseiro.

O UniCEUB/Brasília retorna às quadras em 14 de fevereiro, contra o Paulistano, no ginásio da AsCEB.

Com informações da Assessoria de Imprensa

Esporte Candango